Acordo entre EUA e China pode afetar agronegócio

Acordo entre EUA e China pode afetar agronegócio

Depois de 18 meses de impasse, Pequim e Washington fecharam um acordo comercial que prevê que a China aumente em US$30 bilhões a compra de produtos agrícolas americanos em dois anos. Medida pode prejudicar as exportações do agronegócio brasileiro. Brasil pode ter uma perda de US$ 10 bilhões em exportações

O acordo comercial fechado ontem entre Washington e Pequim, que pôs fim a uma disputa que já durava 18 meses, prevê que a China compre mais US$ 200 bilhões em produtos americanos em até dois anos.

Desse total, US$ 32 bilhões são de produtos agrícolas como carne, soja e outros grãos, itens tradicionais da pauta exportadora do Brasil ao país asiático. Ou seja, o agronegócio pode ser afetado. Nas contas do economista-chefe para América Latina da consultoria inglesa Oxford Economics, Marcos Casarin, há um risco paraUS$ 10 bilhões em exportações brasileiras.

Esse é o volume que os chineses passaram a comprar do Brasil em retaliação às tarifas adotas pelos Estados Unidos ao longo de 2019. Trata-se de cercade 5% do valor exportado pelo Brasil no ano passado US$223 bilhões. E algo marginal, mas sinaliza o fim de uma boa vontade que os exportadores brasileiros vinham tendo até agora dos compradores chineses por causa da pressão americana explica Casarin.

Mas há quem pondere que o fato de a economia brasileira ser uma das mais fechadas do mundo deve proteger o país, ao menos em parte, de solavancos na balança comercial. O comércio exterior do Brasil representa cerca de 20% do PIB, uma fração do patamar de outros países emergentes, como o México. Particularidades do agronegócio poderão atenuar as conseqüências do acordo para o Brasil, diz o economista Carlos Primo Braga, pesquisador da Fundação Dom Cabral.

Uma delas é a estagnação da safra de grãos americana em 2019, devido auma seca severa nos estados do Meio Oeste, que concentram as lavouras. Além disso, o apetite dos chineses para matérias-primas como soja e carne continua elevado na esteira da gripe suína, epidemia que reduziu estoques de proteína animal por lá e, por aqui, elevou a inflação. Em algumas matériasprimas, como a soja, o Brasil já exporta à China mais do que os Estados Unidos.

O acordo comercial pode trazer alguma redução no volume dos embarques, mas nada muito significativo diz Braga. Para Welber Barrai, ex-secretário de Comércio Exterior do Brasil e sócio da consultoria Barrai M Jorge, por ora, a assinatura do acordo comercial deve ter como efeito ajudar o presidente Donald Trump a mostrar algo aos eleitores na campanha eleitoral deste ano.

Resta saber se os chineses de fato vão ampliar as compras de produtos americanos, deixando de lado itens de outros países, como o Brasil. As negociações entre China e Estados Unidos devem continuar. Por ora, a China se comprometeu a comprar mais US$ 200 bilhões em bens manufaturados, energia, produtos agrícolas e serviços. Desses, o Brasil só exporta substancialmente produtos agrícolas para a China explica Barrai.

Na chamada Fase 1 do acordo, assinado ontem por Trump e o vice-premier chinês, Liu He, o ponto mais importante é o compromisso da China de comprar mais US$ 200 bilhões em produtos agrícolas e outros bens e serviços dos EUA ao longo de dois anos, ante uma base de US$ 186 bilhões em 2017. Serão US$ 76,7 bilhões no primeiro ano e US$ 123,3 bilhões no seguinte. Juntos, estamos corrigindo os erros do passado e entregando um futuro de justiça econômica e segurança para os trabalhadores e fazendeiros americanos e suas famílias afirmou Trump.

O acordo inclui US$ 32 bilhões em compras adicionais de produtos agrícolas americanos, mais US$ 38 bilhões em serviços, US$ 78 bilhões em manufaturados e US$ 54 bilhões em suprimentos de energia, como petróleo. Os produtos industriais a serem adquiridos pela China incluem maquinário industrial, equipamentos elétricos, produtos farmacêuticos, aviões, automóveis, aço, ferro e instrumentos médicos e ópticos.

Segundo Liu, os chineses podem comprar até US$ 40 bilhões em produtos agrícolas americanos nos próximos dois anos, `com base em condições de mercado`. ´CARTAS NA MANGA´ Ainda que o acordo seja considerado o começo de uma nova era nas relações entre os dois países, há questões que não foram abordadas. Por exemplo, os subsídios chineses a suas empresas estatais, e a prática de inundar mercados internacionais com produtos baratos.

Mas, segundo Trump, a China prometeu enfrentar o problema da pirataria de produtos. O acordo ainda inclui forte proteção a direitos de propriedade intelectual. Depois da cerimônia, Liu He disse ao canal estatal chinês CGTN que os dois lados precisam negociar seus problemas e que as tarifas não são uma boa solução. E elogiou uma medida anunciada por Washington na véspera: E a decisão correta para os EUA remover a China da lista de manipuladores de moedas.

Com o acordo, ficam canceladas as tarifas americanas sobre smartphones, brinquedos e laptops feitos na China. E os EUA reduziram de 15% para 7,5% a taxa sobre TVs de tela plana, fones Bluetooth e calçados. Permanecem, porém, as taxas de 25% sobre US$ 250 bilhões em outros produtos.

Estou mantendo essas tarifas porque, do contrário, não temos cartas na manga com que negociar disse Trump. Mas elas cairão assim que terminarmos a Fase 2. Com agências internacionais `Sinaliza o fim de uma boa vontade que os exportadores brasileiros vinham tendo até agora dos chineses` Marcos Casarin, economista-chefe para América Latina da Oxford Economics União.

Donald Trump cumprimenta Liu He: `Juntos, estamos corrigindo os erros do passado e entregando um futuro de justiça econômica e segurança para os trabalhadores e fazendeiros americanos`

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino