Acordo comercial com Coreia do Sul prejudica 51 setores no Brasil, diz CNI

Acordo comercial com Coreia do Sul prejudica 51 setores no Brasil, diz CNI

Em abril, a confederação pediu ao governo que suspenda as negociações entre o Mercosul e o país asiático; a entidade calcula que o déficit comercial com a Coreia do Sul possa ser ampliado em R$ 7 bilhões

O acordo comercial em negociação entre o Mercosul e a Coreia do Sul poderá prejudicar 51 setores econômicos no Brasil e beneficiar apenas 11, de acordo com estimativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI).
Segundo o Estadão/Broadcast apurou, o acordo está avançado, mas as negociações caminham a passos lentos por causa da pandemia do coronavírus. Questões como quais setores serão excluídos do acordo de livre-comércio e o tempo até a retirada total de tarifas ainda estão em aberto.
Leia Também

Com MP, governo pode contratar mais de 43 mil temporários em 2020

Na simulação feita pela CNI que já se manifestou contrariamente ao acordo - a maioria dos setores da agricultura, indústria extrativa e indústria de transformação e serviços teria redução no Produto Interno Bruto (PIB) com a eliminação das tarifas de importação de produtos sul-coreanos.

Seriam afetados, segundo o estudo, 21 setores na indústria, 18 no setor de serviços, 4 na indústria de transformação e 8 na agricultura. Outros 11 setores teriam ganho de PIB. A confederação não detalhou os setores que ganham e que perdem.

De acordo com a entidade, o crescimento para os setores da Coreia do Sul será oito vezes maior do que para os setores do Brasil. Não faz sentido, em meio a uma crise sanitária e a uma recessão econômica que poderá bater recorde histórico, o Brasil e o Mercosul negociarem um acordo de livre-comércio que prejudica a maior parte dos setores e beneficia, de forma desproporcional, a Coreia do Sul. Há outros parceiros com quem podemos negociar outros tipos de acordos mais equilibrados, com ganhos mútuos, como os Estados Unidos e o México, afirma o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Eduardo Abijaodi.
Como mostrou o Estadão/Broadcast, a CNI pediu em abril ao governo brasileiro que suspenda as negociações entre Mercosul e Coreia do Sul. A entidade teme que os termos atualmente na mesa prejudiquem os produtores brasileiros e ampliem em US$ 7 bilhões o déficit comercial com o país asiático.

Na semana passada, a entidade participou de reunião com o Ministério da Economia em que reafirmou seu posicionamento. É uma negociação que tem sido feita com pouca transparência e diálogo com o setor privado, e que não parece seguir os parâmetros utilizados por outros países que já negociaram com a Coreia do Sul. Precisamos lembrar que as exportações coreanas são o segundo maior alvo de medidas antidumping no mundo, atrás apenas da China. Esse é um indicativo de que não há concorrência leal em alguns setores, ressalta Abijaodi.

De acordo com a confederação, o acordo que vem sendo negociado com a Coreia do Sul garante o livre-comércio para 90% dos produtos importados e exportados para o Mercosul.

A CNI reclama que compromissos firmados pelos sul-coreanos com países como China, Índia e Turquia mantêm tarifas para 20% da pauta de comércio com períodos de carência e margens de preferência que não são contemplados na negociação com o bloco sul-americano.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino