Acordo com UE reforça posição do Mercosul em outros foros

Acordo com UE reforça posição do Mercosul em outros foros

O coordenador-geral de negociações extrarregionais do Ministério da Economia, Carlos Degrazia, disse ontem que o acordo entre o Mercosul e a União Européia (UE) reforçou a posição sulamericana na mesa cie negociações correntes com outros blocos, como o Eftaque reúne Suíça, Islândia, Noruega e Liechtenstein , além de Canadá, Coréia do Sul e Cingapura

Degrazia apresentou as linhas gerais do acordo com os europeus para empresários na Casa Fiijan, cia Federação das Indústrias cio Estado do Rio de Janeiro (Firjan). `A conclusão clesse acordo teve impacto na própria dinâmica das negociações que a gente está travando. Nos credenciamos bastante como players, o Mercosul está se modernizando e começam a surgir novos interesses, novas frentes negociadoras`, disse ele.

Segundo Degrazi, as negociações com outros blocos e países estão `avançadas` e devem ser concluídas `nos próximos anos`. O secretário de Comércio Exterior, Lucas Ferraz disse na quartafeira que o acordo com o Efta deve ser fechado ainda neste ano com `alto grau de certeza`, enquanto as tratativas com os outros três países elevem ser concluídas até 2021.

Degrazia falou genericamente a empresários em busca por detalhes sobre a eliminação das tarifas de importação para mais de 90% dos produtos comercializados entre os dois países sendo o prazo brasileiro de 15 anos e o europeu de dez anos. Ele enfatizou que os ganhos vão muito além das trocas comerciais, atingindo serviços. Ele citou a cabotagem internacional: com o acordo, um navio europeu de carga conteinerizada poderá deixar as cargas no Brasil e seguir para portos do Mercosul livremente.

Ele reiterou que o acordo vem em boa hora para o Brasil, uma economia `com baixa taxa cie de abertura comercial`, e afirmou que há bastante espaço para que o país amplie suas exportações para a UE, que tem um mercado consumidor de 513 milhões cie habitantes mas consume apenas 18% das exportações brasileiras.

Do lado do Mercosul, o negociador disse que o Brasil trabalha para flexibilizar o bloco. Vai nesse sentido a previsão de que o acordo entre em vigor bilateralmente entre a UE e cada país do bloco sul-americano, a depender da aprovação no Parlamento de cada um. Outros aspectos, porém, como a distribuição das cotas de exportação agrícolas com tarifa reduzida, como as disputadas 99 mil toneladas cie carne bovina, serão alvo de longa negociação coletiva, informou Degrazia.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino