Acomodação instável da crise entre vice e clã Bolsonaro irrita mais militares da ativa

Acomodação instável da crise entre vice e clã Bolsonaro irrita mais militares da ativa

A progressão da mais recente crise política, o embate direto entre o filho presidencial Carlos e Hamilton Mourão {PRTB), éum ponto de inflexão no roteiro da intrincada relação entre mi litarese Jair Bolsonaro {PSL).

Desde que disse que iria `mudar de vida`, Carlos atacou diretamente ovice-presídenteii vezes, o classificando de traidor. Seu pai, até aqui, só renovou os votos de fidelidade ao filho `pitbull`.

Mourão fez a parte combinada com ala militar do governo, adotando um comedido deixa-disso público.

Os fardados se queixam de que não há umaala. Verdade: como o Tinhoso nas Escrituras, há várias sob seu nome.

Atuam ora de bombeiros os generais da reserva com assento no Planalto, Augusto Heleno {Gabinete de Segurança Institucional) â frente.

Mas ocorre a emergência de um fenômeno novo. Cada vez mais há uma dissonância entre o tom de oficiais generais da ativa e a moderação do pessoal do Planalto.

Conversando com três importantes estrelados, para ficai- na definição chorosa e regressiva de Carlos, o resumo do episódio até aqui é algo assim: as Forças Armadas, Exército á frente, não tolerarão caladas a campanha contínua que atribuem também ao presidente contra Mourão.

O problema é queos militares estão numa enrascada. A pergunta central é: não tolerarão, e daí? Vão deixar o governoosgenerais da reserva? Vão sugerir um golpe contra Bolsonaro os da ativa? Nenhuma das possibilidades está no radar, muito felizmente no caso da segunda.

O bolsonarismo raiz pode ser um cachon o que enfim mordeu o carro.

Está se debatendo com a realidade, mas ao menos há ordem unida no seu núcleo central, devoto de Olavo de Carvalho. Lá estáo Carlos e seu irmão Eduardo, cercados por rodopiantes dervixes da mesma escola mística de Virgínia, como o chanceler Ernesto Araú j o e sua protegida Letícia Catei, o assessor presidencial Filipe Martins e, mais discretamente, o ministro AbrahamWeintraub {Educação).

Já os militares apresentam cunhas em seu couro de aparência uniforme, ainda mais em crescente preocupação com os sinais da economia.

Mourão pode ser a chave da equação. O problema é saber qual general se apresentaria: o vice do presente, oásis de razão em um governo tresloucado, ou o militar do p assado, sempudorde levantar hipóteses heterodoxas, quando não abertamente golpistas, para solucionar crisespolíticas.

Há a possibilidade de que deixem Carlos esperneando e que a momentânea retração de olavices no MEC e no Itamaraty se estabilize. A questão ê que a verdadeira essência do bolsonarismo é essa disrupçào, então fica difícil antever uma paz duradoura.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino